Educação

Detox digital neles

O uso excessivo de eletrônicos por crianças e adolescentes é cada vez mais preocupante. O que fazer para que eles desliguem das telinhas? A resposta pode estar no resgate de brincadeiras coletivas ao ar livre, sem a presença de eletrônicos. Uma colônia de férias diferente apresenta uma novidade que ajuda e muito nesse quesito

“As brincadeiras de hoje não são como antigamente”. A frase é comum entre pais e mães entre os 35 e 50 anos. Um dos motivos: nas décadas de 80 e 90 as crianças não tinham acesso à internet, nem a uma infinidade de jogos eletrônicos como vemos hoje. A televisão trazia uma programação específica para elas e com horários bem definidos e nem todas tinham acesso a videogames. A maioria se divertia pelas ruas e praças, para brincar de pique-pega, pique-esconde e por aí vai. Hoje, em um mundo globalizado e tecnológico, tablets e smartphones já fazem parte da vida dos pequenos desde tenra idade, já que muitos pais os têm como aliados na hora entretê-los. Além de proporcionar uma significativa diminuição dos exercícios físicos, o uso excessivo desses eletrônicos também afasta as crianças e adolescentes do convívio direito e saudável, tão importante no seu desenvolvimento.

Diversos estudos apontam que o uso excessivo dos meios eletrônicos aceleram indevidamente o desenvolvimento intelectual e psicológico de crianças e adolescentes, causando sérios distúrbios. Para a psicóloga Marcia Rizzo, o segredo para o sucesso na criação dos filhos tem de ser o equilíbrio. “Crianças e adolescentes estão aprendendo a se autorregularem e, portanto, a intervenção e as decisões dos pais no que concerne aos espaços onde seus filhos irão interagir com outras pessoas são fundamentais neste processo”, defende.

Segundo a profissional, essas vivências durante a infância, tão frequentemente mediadas pelo computador ou outro meio eletrônico, comprometem as relações interpessoais não virtuais, isso porque diante do computador e celular a criança é passiva. “Ela recebe informações que podem até ser de boa qualidade, mas não tem a oportunidade de mudá-las, de debatê-las. Colocar a criança em uma ambiente ativo, em interação com o outro, que também tem dúvidas, vontades e limitações, é peça fundamental para o desenvolvimento humano. É preciso ensinar como se relacionar com o outro”, orienta Marcia (Ágora Psique), mestre em Psicologia do Desenvolvimento Humano e Saúde pela UnB e Aalborg University, Dinamarca.

Foi atento a essa necessidade do detox digital para crianças e adolescentes que o casal de empresários, Luis Felipe Mello e Danuse Mello, resolveu trazer ao Centro-Oeste um empreendimento que no Rio de Janeiro é tradição há 39 anos. Trata-se de um programa de férias escolares para meninos e meninas entre cinco e 17 anos, em que o entretenimento exclui qualquer interação digital, nem mesmo com os pais, que passam de 5 a 8 dias longe dos filhos e sem contato telefônico direto. Estes, por sua vez, se divertem a valer, em contato com a natureza, diversão ao ar livre e muitas novas amizades, sem a presença TV, computador, tablet ou smartphone.

O local, batizado de Rancho Vitory – uma alusão ao sentimento de vitória na vida dos rancheiros, como são chamados os participantes – oferece mais de 100 mil m² de área verde. A programação de cada temporada visa diversão com foco em quatro pilares fundamentais: sociabilidade, cooperação, amizade e solidariedade. Há brincadeiras, gincanas, jantares temáticos, banhos de piscina e cachoeira, luau com fogueira e violão, oficinas de artes, shows de talentos, entre outras atividades.

Segundo Felipe, a principal finalidade do Rancho é proporcionar uma experiência única e marcante na vida dos filhos, por isso tirá-los da frente de telas digitais, incentivando a interação interpessoal e com a natureza, é uma das técnicas mais importantes de todo o trabalho e sem negociação. “Aqui, eles desenvolvem a independência, se descobrem como indivíduos, desconectam de tudo, em temporadas que variam de 5 a 8 dias”, explica o diretor do espaço.

Mais sobre o Rancho Victory

O Rancho Victory traz ao Centro-Oeste o “know-how”, a filosofia e a experiência de 39 anos do Rancho Santa Mônica (Rio de Janeiro). Seguindo o padrão dos “summer camps” europeus, o local proporciona uma experiência diferente de férias para meninos e meninas de 5 a 17 anos, longe de telas digitais e interação com a natureza. O Rancho estreou com sucesso na Região, a menos de 100 km da capital federal, em Alexânia (GO), em julho de 2018, com duas temporadas de colônia de férias. Há também temporadas de feriados, aniversários, gincanas e passeios escolares. O espaço conta com piscina, cachoeira, campo de futebol, quadras esportivas, ginásio, chalés e refeitórios. A hospedagem é completa, dia e noite, e inclui até cinco refeições diárias e a presença de enfermeira 24h, nutricionista e monitores treinados que acompanham e orientam cada atividade.

Próximas temporadas (Colônia de Férias)
1° temporada: 8 a 12/01
2° temporada: 12 a 19/01
Inclui: translado, hospedagem completa e 5 refeições diárias.

Mais informações
(61) 3366-2109 | (61) 99204-6270 | ranchovictorybsb@gmail.com
www.ranchovictory.com.br

CONTINUAR LENDO

Comentários

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios